As várias possibilidades do BDSM

1 maio

Muitas pessoas acreditam que o BDSM se limita ao sadomasoquismo extremo e violento, mas sabe quando a gente resolve privar @ parceir@ de seus movimentos colocando algemas nel@? Ou quando vendamos ou somos vendados e então aproveitamos para aguçarmos os sentidos usando cremes de chantilly para lambermos o corpo ou passamos cubo de gelo sobre o corpo, sempre com a intenção de experimentarmos sensações eróticas novas e buscando prazer nessa entrega mútua? Pois é, nós já nos aventuramos pelo BDSM, porque esta é a sua essência: explorar eroticamente os sentidos d@ outr@; entregar-se sem reservas e confiando que @ parceir@ fará algo bom com o nosso corpo e para nossa mente. 
Podemos usar as práticas do BDSM de forma sutil ou intensa, isso vai depender do que @s parceir@s estão buscando e o nível de dedicação, entrega e confiança empregados. Por isso não é abuso ou violência, porque as ações permitidas e os limites são combinados antes de se por em prática qualquer um dos aspectos do BDSM — e o meu objetivo aqui é falar um pouco sobre a definição das quatro letras desta sigla para uma melhor compreensão.
BDSM é composto por Bondage e Disciplina (B & D ou B/D), Dominação e Submissão (D & s ou D/s), e Sadismo e Masoquismo (S & M, S/M ou SM) -– que é mais comumente lido como sadomasoquismo para se distanciar dos significados desses termos na Medicina e Psicologia, pois no BDSM a relação sadomasô é consentida e acordada pel@s envolvid@s. 
Bondage é somente um dos aspectos do BDSM e significa privar a pessoa de seus movimentos ou outros sentidos, que pode acontecer de um jeito bem simples como o uso de algemas, vendas ou lenços, ou com as práticas mais avançadas como uso de cordas, grilhões, correntes, etc. Este segmento é um fetiche por proporcionar prazer apenas por ser amarrad@ ou por amarrar alguém e é muito usado em sessões sadomasoquistas.
Disciplina no BDSM descreve uma restrição da Psicologia que envolve o uso de regras e punições (e recompensas às vezes) para controlar o comportamento d@ parceir@. Normalmente as punições envolvem agressão física (açoitamento etc), humilhação (agressão verbal ou avacalhamento em público) ou perda de liberdade (desde prendendo-a na cama ou impedindo a pessoa de fazer algo que lhe dê satisfação). A disciplina, geralmente, está inserida nos demais aspectos BDSM.
Dominação e Submissão — um não existe sem o outro e é composto por um conjunto de comportamentos envolvendo rituais e costumes de doação e aceitação de controle de um indivíduo sobre o outro, podendo ser no dia a dia ou apenas nos encontros sexuais conhecidos como sessões ou cena quando os envolvidos interpretam papeis em um jogo erótico de Dominação e submissão e sadomasoquismo. @s dominantes são conhecid@s como Dom ou Domme, e @ submiss@ de sub, e quem intercalar entre papeis de Dom e sub é conhecid@ como Switch. E este conjunto é essencialmente mental e não precisa envolver os demais aspectos do BDSM, porém, está presente de alguma maneira nos demais aspectos por ser muito amplo e o mais vivenciado tanto no mundo BDSM quanto fora — e também é por isso que possui diversas vertentes que não dá para discorrer a respeito em apenas um post, porém, gostaria de acrescentar que podemos explorar a dominação e submissão apenas em jogos eróticos sem que haja vínculo amoroso entre @s praticantes — e que normalmente envolvem o sadomasoquismo — ou então adotá-lo como filosofia de vida, na qual as ações no dia a dia d@ submiss@ deverão ser autorizadas pel@ dominante, mas para isso deverá existir um contrato entre @s envolvid@s que pode ser verbal ou escrito e em alguns casos esta união chega a ser formalizada diante de testemunhas da comunidade BDSM com a cerimônia de encoleiramento, onde se trocam votos e @ submiss@ recebe algum item para usar que indique a quem pertence (coleira, tatuagem, etc). Essas relações totalmente imersas nesse universo são chamadas de 24/7 que significa “vinte e quatro horas por dia, sete dias por semana”, onde não há interrupção do contrato entre Dom e sub, e @ dominante zela por seu/sua submiss@ e está atento às suas necessidades (pode ser sexual, física, emocional, vai depender do acordo) e, em troca desse cuidado, @ submiss@ se entrega confiando completamente em seu/sua dominante todos os dias, até que o contrato termine — é como um casamento em que cada parte tem seu papel muito bem definido na relação com regras determinadas e com a opção de rever o contrato em algum momento, pois neste há a opção de incluir um período de folga ou férias para que @ submiss@ possa ter um tempo sem ser dominad@ e poder reavaliar a relação.
Sadomasoquismo -– sadismo e masoquismo consentidos -– envolvem aspectos físicos quando há a busca pela satisfação sexual através da dor, ou mentais quando há prazer na humilhação ou tortura mental, podendo ocorrer os dois ao mesmo tempo ou separadamente, e a imaginação d@s envolvid@s é o limite! Tudo é permitido, desde que todas as partes concordem, e as sessões de sadomasoquismo mais extremistas geralmente são acompanhadas de alguém como mediador para manter a segurança d@s participantes. E esta modalidade está intrinsicamente ligada à dominação e submissão, sendo @ dominante conhecido como Top, e @ submiss@ como bottom, mas podem continuar como Dom(me) e sub. Quem revezar entre os dois papéis também é conhecid@ como Switch.
Existem inúmeras técnicas sadomasoquistas e algumas envolvem equipamentos e acessórios, e @s praticantes mais entusiastas do sadomasoquismo costumam ter suas cenas eróticas dentro de locais que forneçam os materiais necessários e zelem pela sua segurança quando as sessões são mais intensas ou perigosas, principalmente porque o Dom(me)/Top pode se exceder no calor do momento , ou o sub/bottom não parar o jogo -– e é por isso que, de todas as ‘modalidades’ do BDSM, o sadomasoquismo é o mais perigoso e onde mais se usa as duas regras essenciais da comunidade BDSM, que são:
Safeword -– palavra ou gesto chave para quando um@ bottom/sub quiser que o Top/Dom pare o que estiver fazendo, e isto deve ser acordado antes das sessões e sempre deve haver uma palavra ou gesto (no caso de não poder falar) combinado.
SSC — Saudável, São e Consentido -– toda sessão BDSM deverá ser de forma segura e que não prejudique @s participantes e tudo deve ser consentido, caso contrário a prática pode ser enquadrada como estupro ou homicídio (raramente ocorreu o segundo), por isso que muit@s preferem ter suas sessões monitoradas.
Mas apesar de tudo isso, o mais bacana é que ninguém precisa seguir à risca nada do BDSM, podemos simplesmente experimentar alguns jogos com @ companheir@(s) de vez em quando, para sair da rotina com coisas simples. E se resolverem experimentar algo mais intenso, procurem locais que ofereçam serviços de treinamento dessas práticas (que existem em várias cidades), ou seja, viva toda sua sexualidade sempre de forma saudável, sã e consentida!

Guest Post escrito por mim publicado na Escreva, Lola, Escreva.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: